Avançar para o conteúdo

novas recomendações para promover o sono seguro do bebé até 1 ano de idade

A Morte Súbita Infantil Inesperada é o termo utilizado para descrever qualquer morte repentina inesperada, explicável ou não, que ocorre durante a infância.

Dentro desta categoria, encontra-se a Morte Súbita Não Explicada do Latente (antigamente designada por Síndrome de Morte Súbita do Latente), que engloba qualquer morte repentina inesperada, não explicável, que ocorre entre 2 semanas e 1 ano de idade (incluindo asfixia mecânica, infeção, doenças metabólicas, doenças cardíacas, traumas, entre outros). Quase todas as mortes desta categoria ocorrem durante o sono infantil ou num ambiente de sono. A Associação Americana de Pediatria emitiu em 2022 novas orientações técnicas no sentido de diminuir a sua ocorrência, com alterações relativamente às orientações de 2016:

 
Recomendações em 2016Recomendações em 2022
(a negrito estão as diferenças relativamente às orientações de 2016)
Superfície de sono firme.Superfície de sono firme.
Utilizar uma superfície NÃO INCLINADA (inclinações acima dos 10 graus podem trazer riscos adicionais – ver abaixo).
Estudos associaram a utilização de algumas superfícies inclinadas de produtos de sono para bebé a uma atividade muscular significativamente maior dos músculos abdominais do bebé (abdominais), com movimento do tronco, com potencial para exacerbar a fadiga e contribuir para a asfixia se o bebé, caso ele não seja capaz de se reposicionar novamente para a posição supina.
Amamentar ou oferecer leite materno até aos 6 meses de idade.Amamentar ou oferecer leite materno até 1 ano de idade ou mais.
Dormir perto dos pais, numa superfície separada.
Há evidência de que dormir no quarto dos pais, mas numa superfície separada, diminui em 50% a incidência de Morte Súbita Infantil Não Explicada.
Sofás e cadeiras de baloiço são sítios perigosos para o bebé dormir.
A utilização de sacos de dormir que se vestem, próprios para bebés, é preferível à utilização de lençóis ou mantas.Vestir o bebé com várias camadas de roupa é preferível à utilização de lençóis ou mantas. Também se podem utilizar sacos de dormir que se vestem, próprios para bebés.
Adiar a introdução da chupeta para as situações em que o bebé está a ser amamentado, até que a amamentação esteja bem estabelecida.
Evitar exposição a álcool, tabaco ou outras drogas na gravidez e após o nascimento.
Não se recomenda a utilização de gorros enquanto o bebé dorme, pelo risco de sobreaquecimento, exceto nas primeiras horas após o seu nascimento.
Deixar de usar o swaddling assim que o bebé der sinais de começar a tentar rolar.Não é recomendado realizar swaddling com mantas com pesos adicionados. Deixar de usar o swaddling assim que o bebé der sinais de começar a tentar rolar.
Dormir de barriga para cima (de costas para o colchão) até 1 ano de idade. Não se recomenda dormir de lado ou de barriga para baixo.
Quando o bebé já é capaz de rolar e o fizer durante o sono, já não é considerado um risco e deve ser respeitada a posição que ele próprio assume para dormir.
Não deixar bebés sem supervisão em cadeiras de transporte automóvel ou produtos similares e utilizar sempre estes dispositivos com os cintos apertados.
Quando o bebé dorme enquanto é transportado num porta-bebés, verificar que a face do bebé está visível, acima do tecido, com as vias aéreas, o nariz e a boca livres de obstrução.
 

A Associação Americana de Pediatria não recomenda bed-sharing (o bebé partilhar a cama dos pais) até 1 ano de vida, uma vez que, nestes casos bed-sharing, há que estar alerta para as seguintes situações que podem aumentar o risco de morte súbita inesperada:

  • Existe um aumento do risco para o bebé de 10x quando partilha a cama com alguém que tem alterações frequentes do estado de consciência (ex. estados de fadiga ou utilização de medicamentos para dormir ou outras substâncias como álcool e drogas), com alguém que fuma (mesmo que não fume no quarto/cama), se a mãe fumou durante a gravidez ou se o local onde dorme é mole (ex. colchões de água, sofás).
  • Os pais que alimentam os bebés na sua cama têm de ter particular atenção para não adormecer enquanto o alimentam, aumentando o risco 5x a 10x para os bebés até aos 4 meses de idade. O mesmo aumento de risco verifica-se em situações de partilha de cama com outras pessoas que não os pais biológicos.
  • Os recém-nascidos prematuros que dormem na cama dos pais têm 2x a 5x mais risco, assim como se, mesmo sendo de termo, na cama estiverem almofadas e cobertores.

A evidência científica sobre este assunto é de baixa qualidade, já que a fisiopatologia das mortes relacionadas com o sono é complexa e multifatorial, com os estudos de caso sendo a melhor evidência disponível até ao momento.

As imagens que se seguem alertam para algumas situações de grande perigo para a vida dos bebés:

 

FONTE DE REFERÊNCIA DO TEXTO E DA IMAGEM

Moon R, Carlin R, Hand I. Sleep-Related Infant Deaths: Updated 2022 Recommendations for Reducing Infant Deaths in the Sleep Environment. Pediatrics. 2022;150(1).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

19 + one =